Educacional

Estudo conclui melhora na qualidade de vida dos pacientes com disfunções urinárias

Por Roberta Massa B. Pereira | 11.12.2015 | Sem comentários

Publicidade

Impacto da toxina botulínica tipo A na qualidade de vida e aspectos práticos da vida diária: resultados de análises conjuntas de dois estudos randomizados e controlados, conduzidos por Everaert, et al., e publicados no dia 03 de dezembro de 2015 pelo International Journal of Urology

 São Paulo, 09 de dezembro de 2015 A multinacional farmacêutica Allergan plc (NYSE: AGN), divulgou esta semana análise conjunta de dois estudos clínicos que compararam a eficácia do BOTOX® (toxina botulínica tipo A) com placebo no tratamento de pessoas com bexiga hiperativa e incontinência urinária. Os resultados revelaram importante melhora na qualidade de vida e nos aspectos práticos da vida diária dos pacientes tratados com BOTOX e que já haviam sido submetidos a tratamentos com medicamentos anticolinérgicos.

Dentre os aspectos práticos de qualidade de vida relatados pelos pacientes, destacam-se a melhora quanto à necessidade de uso de absorventes, troca de roupas íntimas, sono, relacionamento com o parceiro, além das atividades laborais e da vida diária[i].

Metodologia – Os dois estudos clínicos foram realizados por 24 semanas e avaliaram a eficácia do tratamento com toxina botulínica tipo A em 1105 pacientes com bexiga hiperativa idiopática (sem causa definida) e incontinência urinária com resposta inadequada à terapia anticolinérgica (randomizados para toxina botulínica tipo A 100U (n = 557) ou placebo (n = 548)). Todos os pacientes apresentaram três ou mais episódios de incontinência urinária de urgência em um período de três dias, e oito ou mais micções por dia. Os trabalhos utilizaram dois parâmetros primários: episódios de incontinência urinária basal por dia, e após um período de 12 semanas, registrando as percepções relatadas pelos pacientes em cada consulta pós-tratamento sobre os benefícios do tratamento, com base na TBS[1] – Escala de Benefícios de Tratamento. Os parâmetros secundários incluíram o resumo total do escore da escala Incontinence Quality of Life (I-QOL)[2] e dois domínios do King’s Health Questionnaire (KHQ)[3] – Limitações de Atividades Diárias e Limitações Sociais.

O perfil médio dos pacientes compreendeu idade de 60,4 anos, sendo 87,8% mulheres – público ligeiramente mais acometido pelas disfunções urinárias. A duração média do diagnóstico de bexiga hiperativa foi de 6,1 anos, com pacientes que relatavam média de 5,4 episódios de incontinência urinária por dia.

Resultados: Uma proporção consideravelmente maior de pacientes tratados com BOTOX® reportaram resposta positiva na TBS (parâmetro primário) comparada com placebo (61,8% contra 28,0%).

Também comparado com placebo, os pacientes reportaram diminuição significativa dos sentimentos de depressão (47,1% contra 26,9%) e cansaço (44,3% contra 27,3%) consequentes aos problemas urinários, assim como uma diminuição significativa da frequência do uso de absorventes (37,6% contra 15,3%) e troca de roupas íntimas (54,9% contra 25,7%).

Segundo o Doutor em Urologia pela UNIFESP, José Carlos Truzzi “os sintomas da bexiga hiperativa frequentemente geram efeito negativo na qualidade de vida. Isto, combinado às altas taxas de abandono de uso dos medicamentos anticolinérgicos, indica a necessidade de avaliar o impacto que os tratamentos para a bexiga hiperativa têm na vida dos pacientes. Estes dois estudos, demonstraram melhora significativa em vários parâmetros nos questionários de avaliação da qualidade de vida, Fica evidente a relevância dos resultados da terapia com BOTOX® em adultos,

Entendendo a Bexiga Hiperativa

O termo bexiga hiperativa é usado para caracterizar uma urgência repentina e incontrolável por urinar, assim como a necessidade de urinar com maior frequência Isto pode levar à perda involuntária de urina (incontinência), associada à necessidade de se levantar durante a noite para esvaziar a bexiga, com interrupção do sono (noctúria)[ii]. A bexiga hiperativa é uma condição estressante e pode ter um impacto considerável na qualidade de vida3.

Estima-se que no Brasil 30 milhões de pessoas sejam acometidas de bexiga hiperativa[iii]. Os sintomas da bexiga hiperativa podem afetar aspectos psicológicos, ocupacionais, domésticos, físicos e sexuais 5. As pessoas se isolam com medo de passar por situações constrangedoras em viagens, festas e até em atividades rotineiras e no trabalho. Este isolamento pode resultar em depressão. Por isso, é muito importante ficar atento aos sintomas, uma vez que muitos pacientes escondem o problema da própria família e não procuram orientação médica.

Embora as causas da bexiga hiperativa não estejam completamente entendidas, sabe-se que em pessoas que apresentam a doença, a bexiga parece fornecer mensagens erradas ao cérebro, demonstrando estar mais cheia do que na realidade está[iv]. Tal disfunção pode resultar numa urgência repentina e incontrolável por urinar (urgência), assim como a necessidade mais frequente por urinar (frequência) e que pode causar a passagem involuntária de urina (incontinência), junto com o despertar noturno mais de uma vez pela necessidade de urinar (noctúria)[v].

Devido à natureza dessa condição, muitos pacientes sofrem em silêncio, sentindo-se isolados socialmente e limitando interações profissionais e sociais para evitar acidentes vergonhosos[vi]. Os sintomas da bexiga hiperativa podem afetar aspectos psicológicos, ocupacionais, domésticos, físicos e sexuais da vida destes pacientes5.

Clique aqui e assista a um vídeo infográfico sobre as disfunções urinárias.

Como é realizado o tratamento da bexiga hiperativa com BOTOX®

 A administração da toxina botulínica na bexiga é realizada através de um cistoscópio (tipo de endoscópio para via urinária), sob anestesia local, raquidiana ou sedação. O procedimento é realizado em caráter ambulatorial ou de Hospital-Dia, com paciente recebendo alta em aproximadamente duas horas após o procedimento.

O medicamento age relaxando os músculos da bexiga e assim inibindo a contração involuntária que gera a vontade de urinar.

Sobre BOTOX® (toxina botulínica A*)

A aplicação de BOTOX® ficou famosa no mundo todo pela indicação cosmética, no tratamento das rugas de expressão. No entanto a substância foi descoberta para o tratamento terapêutico e aprovada, em 1989 (pelo FDA, nos Estados Unidos), como uma alternativa para tratar o estrabismo.

No Brasil, a primeira toxina botulínica a ser aprovada foi BOTOX®, marca comercial da Allergan, em 1992, pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA), para fins terapêuticos. Hoje, BOTOX® possui nove indicações aprovadas no País: distonia, estrabismo, blefaroespasmo, espasmo hemifacial, linhas faciais hipercinéticas, espasticidade, hiperidrose, bexiga hiperativa e migrânea crônica, popularmente conhecida como enxaqueca crônica.

 Para ver o Guia completo sobre as aplicações da toxina botulínica A, clique aqui.

Dr. José Carlos Truzzi – CRM CRM 70519-SP

O Dr. José Carlos Truzzi formou-se na Universidade Federal de São Paulo UNIFESP em 1990, fez a residência médica, Mestrado (1996) e Doutorado (1999) na mesma instituição. Sua experiência no exterior inclui estágios em Nova York e Los Angeles | Com título de Especialista pela Sociedade Brasileira de Urologia o Doutor Truzzi já participou de dezenas de palestras em congressos e simpósios. Suas publicações científicas incluem dois livros editados (Distúrbios Urológicos na Gravidez e Bexiga Hiperativa: Aspectos Práticos), diversas publicações em periódicos e capítulos de livros | No site você pode encontrar informações sobre doenças urológicas com objetivo de auxiliar a compreensão das doenças do aparelho urinário e genital. Lembrando que o atendimento médico nunca deve ser substituído.

Fonte: Baruco Comunicação Estratégica

Compartilhe!