Gestão

Hospital do Campo Limpo é referência no Projeto Kanban

Por Roberta Massa B. Pereira | 18.01.2016 | Sem comentários

Publicidade

Sistema de sinalização permite otimizar o atendimento

O Hospital Municipal Fernando Mauro Pires da Rocha, no Campo Limpo, é referência na rede hospitalar no Projeto Kanban. Trata-se de um sistema de sinalização visual para a identificação da complexidade assistencial relacionado ao tempo de permanência do paciente na unidade.

A organização por especialidade facilita a localização dos pacientes, de acordo com a necessidade de atenção, servindo de instrumento de apoio para tomada de medidas técnicas e gerenciais da equipe de enfermagem e da equipe médica.

A palavra kanban é um termo de origem japonesa e significa, literalmente, cartão ou sinalização. O método foi criado na década de 1950 por Taiichi Ohno, integrante de uma importante montadora do Japão, para otimizar o processo de produção em série.

O sistema hospitalar também absorveu os conceitos. No Hospital do Campo Limpo, o programa foi iniciado em março de 2015, após debates sobre políticas de saúde. O primeiro quadro físico foi instalado em julho, agilizando assim a assistência ao paciente.

O método se integrou ao SGH (Sistema de Gestão Hospitalar), que armazena todas as informações do paciente, e também será incorporado ao sistema SIGA (Sistema de Informação e Gestão de Atenção) Saúde.

Assim, o profissional pode ter acesso a todos os dados, exames e procedimentos realizados de determinado paciente, dando mais qualidade e segurança no atendimento.

Reciclagem

Os três quadros existentes atualmente foram montados com materiais recicláveis. Os componentes utilizados foram madeira, fórmica, quadro branco, papel contact, fita isolante, parafusos e buchas para fixação. Há um quadro na Clínica Médica, no 9º andar, com medidas de 2,90 metros por 1,15 metro. Outros dois estão situados na Clínica Cirúrgica, no 8º andar, ambos com 1,40 por 1,20 metro.

Outra característica importante do programa é a transparência, pois todas as informações necessárias estão expostas aos profissionais, permitindo melhor comunicação e maior integração. “Na clínica cirúrgica, melhorou muito a comunicação entre as equipes multidisciplinares, viabilizando condutas, exames e altas”, afirmou a enfermeira Maria Tereza Ferreira de Oliveira Emawodia. Existe o projeto para expandir o Kanban para outros hospitais da AHM (Autarquia Hospitalar Municipal).

Fonte: Prefeitura de São Paulo.

Compartilhe!