Gestão

Medicina nuclear: ferramentas avançadas de diagnóstico e tratamento seguem subutilizadas no Brasil

Por Roberta Massa B. Pereira | 17.03.2016 | Sem comentários

Publicidade

Considerada uma das áreas médicas que mais crescem no mundo, a medicina nuclear é uma especialidade que usa quantidades mínimas de substâncias radioativas (radiofármacos) como ferramenta para obter diagnósticos e oferecer tratamentos extremamente precisos.

Utilizando esses elementos, o médico nuclear consegue obter imagens minuciosas que mostram o funcionamento dos órgãos do corpo humano e tecidos em pleno funcionamento.

Mesmo com esses benefícios, a especialidade permanece subutilizada no Brasil, como informa o médico nuclear e diretor do serviço especializado MND Campinas, Celso Dario Ramos. “A medicina nuclear ainda enfrenta muitos desafios para a expansão no Brasil.

O número de especialistas, por exemplo, não ultrapassa 700 médicos, sendo que mais de metade se concentra no Sudeste (55%), enquanto o Nordeste conta com 20%, o Norte com 15% e o Centro-Oeste com 10%”, diz.

Quando comparado o potencial de uso a outros países, o Brasil ocupa atualmente apenas a 25ª posição no ranking de quantidade de exames, realizando 2,5 exames por mil habitantes/ano.

O Canadá, por sua vez, executa 64,6. Segundo o especialista, a subutilização é ainda mais sentida pela população brasileira que utiliza o SUS.

“Existe uma grande assimetria entre o uso nos planos de saúde e no sistema público, enquanto os pacientes que utilizam a saúde suplementar têm mais acesso, os que não tem recursos recorrem ao SUS. Um exemplo disso é a utilização do PET/CT (sigla em inglês para tomografia por emissão de pósitrons), um dos principais avanços da medicina nuclear, utilizado em especialidades como neurologia, cardiologia, oncologia e endocrinologia, entre outras”, explica.

Atualmente, os planos de saúde possuem a indicação para o exame PET, prevista em portaria, para oito casos: detecção de nódulo pulmonar solitário, câncer de mama metastático, câncer de cabeça e pescoço, melanoma, câncer de esôfago, tumor pulmonar para células não pequenas, linfoma e câncer colorretal.

Na saúde pública, porém, apenas três indicações são ressarcidas pelo Sistema Único de Saúde (SUS): câncer de pulmão de células não pequenas, câncer colorretal com metástase exclusivamente hepática com potencial ressecável e linfomas de Hodgkin e não Hodgkin.

O médico nuclear ainda relata que muitas indicações importantes estão de fora. “A lista não foi estendida para câncer de tireoide, colo do útero, testículo e ovário, entre outros.

A utilização nesses casos já é prática comum em diversos países em todo o mundo, como no Uruguai, nosso vizinho de América Latina, que contempla também outros tipos de câncer na saúde suplementar”, comenta.

O diretor da MND Campinas explica que seria necessário que essa lista de indicações fosse ampliada para que parcelas maiores da população possam ter acesso aos diagnósticos e tratamentos oferecidos pela medicina nuclear.

Fonte: RS-PRESS

Compartilhe!