Tecnologia

O papel da TI na agilidade no atendimento à emergência

Por Roberta Massa B. Pereira | 28.03.2016 | Sem comentários

Em um ambiente assistencial, a tomada de decisão é importante não só para a administração da instituição, mas também para atendimentos de emergência.

Quando chega ao hospital cabe ao enfermeiro, no momento da triagem, encaminhar a pessoa ao local exato, conforme a sua necessidade. Embora pareça fácil, a decisão deve ser tomada com muita segurança. Ter suporte de Tecnologia da Informação (TI) nesta etapa contribui muito para a eficiência no cuidado com o paciente.

Ter a tecnologia de informação como apoio na emergência possibilita implantar um processo de gestão totalmente centrado no paciente. Basicamente, trata-se de integrar todas as diversas soluções e tecnologias à disposição da equipe médica e assistencial sempre em prol de um atendimento certeiro e rápido.

Criar uma base de dados centralizada, com informações clínicas e assistenciais com acesso mais rápido e prático permite que ele seja visto por diversos ângulos.

Essa inteligência auxilia o enfermeiro no momento da triagem no atendimento na emergência.

Na prática, na medida em que um paciente relata seu estado de saúde, o profissional vai informando seus dados ao equipamento.

Por meio do prontuário eletrônico e de uma classificação de risco, as ferramentas de tecnologia organizam o fluxo de atendimento no setor de emergência e, através de um protocolo de classificação de risco, determinam a gravidade de cada caso.

Assim, é possível priorizar o atendimento, o que diminui o tempo de espera nas unidades.

O uso de sistemas para a gestão da informação traz mais agilidade, conforto e segurança e, além de auxiliar o trabalho dos profissionais de saúde, melhora a eficiência dos processos dos hospitais, diminuindo as filas e reduzindo tempo de espera.

Com a TI, é possível avaliar e controlar o trabalho dos enfermeiros, afinal todas as etapas do atendimento ficam registradas.

Com esses comentários, o processo fica automaticamente auditado, o que permite o monitoramento da eficiência da equipe e o diagnóstico da necessidade de treinamento, por exemplo.

Fonte: MV-Sistema de Gestão em Saúde-28.03.2016

Compartilhe!