Gestão

Isonomia entre pacientes e o equilíbrio orçamentário do SUS

Por Roberta Massa B. Pereira | 13.04.2016 | Sem comentários

Publicidade

A Advocacia-Geral da União (AGU) demonstrou, em dois casos na Justiça, que o Poder Judiciário que não deve interferir no Sistema Único de Saúde (SUS), cujas normas são pautadas pelo princípio da isonomia e pelo equilíbrio orçamentário.

Em um deles, a Procuradoria da União no Estado de Sergipe comprovou que o SUS não tem a obrigação de fornecer medicamentos que não constam na rede pública de saúde.

Segundo os advogados públicos, o sistema público de saúde oferece outros medicamentos para o mesmo tratamento, escolhidos por comissões de profissionais da área, com bases em estudos científicos. Além disso, a Advocacia-Geral alegou que o Poder Judiciário não pode reconhecer o direito de um único paciente sem levar em consideração o dos demais atendidos pelos SUS, já que uma única decisão judicial pode comprometer o delicado equilíbrio orçamentário da saúde pública.

A Turma Recursal dos Juizados Especiais Federais de Sergipe acolheu os argumentos da AGU e confirmou que a competência para regular o SUS não pertence ao Poder Judiciário, e sim ao Executivo, que possui os meios necessários para a escolha do tratamento mais adequado.

Tratamento

No outro caso, a Procuradoria-Regional da União na 2ª Região (PRU2), unidade da AGU, demonstrou que também não cabe ao Judiciário estabelecer prioridades de natureza médica, como definir qual paciente deve ter preferência em tratamento de saúde.

Com base nesse entendimento, a 7ª Turma Especializada do Tribunal Regional Federal da 2ª Região (TRF2) suspendeu liminar que determinava a realização imediata de cirurgia de revisão da artoplastia do autor ação. O relator do processo entendeu que, diante da impossibilidade de tratamento imediato de todos os pacientes, o SUS adota critério baseado em laudos médicos. O objetivo é garantir que os cidadãos sejam atendidos em igualdade de condições.

“Sem demonstração da ilegalidade ou abuso de poder, qualquer decisão judicial que determine cirurgia imediata caracterizaria desrespeito ao acesso igualitário ao serviço de saúde. A imediata realização do procedimento cirúrgico ao autor representaria o não tratamento de outrem, às vezes em piores condições que o demandante, e que também aguarda chegar o seu momento na fila”, concluiu. (AGU)

Fornecimento de remédios mais eficazes contra diabetes

A Justiça Federal obrigou a União, o Estado do Pará e o município de Belém a garantir medicamentos mais eficientes para o tratamento de diabéticos do Estado. A decisão também obriga o fornecimento contínuo de equipamentos necessários para a aplicação desses remédios.

A sentença confirma decisão liminar de 2008. Naquele ano o Ministério Público Federal (MPF) ajuizou ação porque, apesar de existirem no mercado insulinas sintéticas com melhores resultados para o tratamento de diabetes, o Estado não fornecia esses produtos porque eles não constam na lista oficial de medicamentos essenciais.

Segundo perícia solicitada no processo, o uso dessas insulinas claramente demonstrou a diminuição de efeitos colaterais agudos, especialmente a hipoglicemia, “situação esta bastante temida pelos pacientes e familiares, devido à incapacidade de reação do paciente enquanto dorme”.

No entanto, a perícia e outros dados levantados durante o processo, como um parecer da Sociedade Brasileira de Diabetes, ressaltam que as vantagens dessas insulinas sintéticas – também chamadas de análogos de insulina – são restritas a determinados tipos de pacientes, como aqueles que apresentam maior frequência de episódios de hipoglicemia noturna ou pacientes com maior risco de hipoglicemias graves.

Por isso, o juiz federal Cláudio Henrique Fonseca de Pina determinou que o fornecimento desses medicamentos especiais, mais caros para o poder público, deve beneficiar apenas os pacientes para os quais for comprovada essa necessidade. (MPF)

Fonte: UNIDAS-13.04.2016

Compartilhe!