Educacional

Unesp reúne pesquisadores de saúde em workshop

Por Roberta Massa B. Pereira | 09.05.2016 | Sem comentários

Intenção é reunir competências na área para fortalecer elaboração de projetos de pesquisa

A Pró-Reitoria de Pesquisa organizou na última quinta-feira, dia 5 de maio, o I Workshop Desafios na Saúde, com o propósito de reunir os pesquisadores da universidade que atuam na área para se conhecerem e debaterem possibilidades de cooperação visando a formulação de projetos para serem submetidos às agências de fomento.

O evento foi realizado no Salão Nobre da Faculdade de Medicina de Botucatu e recebeu cerca de 80 pesquisadores.

Na abertura do evento, a pró-reitora de pesquisa, professora Maria José Mendes Giannini, apontou o potencial da universidade para formular idéias inovadoras nesta área, bem como a qualidade de diversos grupos relacionados à saúde pública dentro da Unesp, que podem colaborar na elaboração de políticas públicas.

Os pesquisadores foram divididos em sete sub-grupos visando facilitar o diálogo entre os participantes.

Os temas de cada sub-grupo foram escolhidos com base em sugestões dos próprios pesquisadores e comissões de pesquisa, que desde novembro de 2015 discutem a realização.

Os temas escolhidos foram:

1) fármacos e novos materiais em saúde;

2) envelhecimento;

3) educação em saúde e alimentos;

4) novas tecnologias em saúde, vacinas, doenças infecciosas e clima;

5) má-formação e deficiência mental;

6) neoplasia e dor;

7) promoção da saúde.

No período da tarde, o professor Élson Longo proferiu a palestra Impasse e Paradoxo entre Interdisciplinaridade e Competitividade. O pesquisador coordena um dos 17 CEPIDs (Centro de Pesquisa, Inovação e Difusão) financiados pela Fapesp.

A proposta da fala foi apresentar à audiência do evento dificuldades e vantagens no estabelecimento de parcerias.

O centro voltado para o desenvolvimento de materiais funcionais colabora com todas as unidades da Unesp em que há pesquisa de materiais.

O CEPID localizado em Araraquara também tem parcerias com todas as universidades públicas do estado de São Paulo, além de 25 instituições federais e 40 do exterior. “Temos o critério de só consideramos interação acadêmica depois que seja publicado pelo menos um artigo”, explica Longo.

Em seguida, os pesquisadores apresentaram os frutos das reuniões de grupos.

Apesar de terem tido pouco tempo para discussão, alguns grupos já vislumbraram linhas comuns de cooperação.

O professor Magno Fortaleza, integrante do grupo de novas tecnologias em saúde, vacinas, doenças infecciosas e clima, propôs um estudo amplo sobre incidência de doenças reunindo dados ecológicos, geográficos e dos CIDs (Cadastro Internacional de Doenças) dos hospitais do estado.

“Esses dados já estão disponíveis e são ricos para desenvolver modelos matemáticos úteis na formulação de políticas de saúde pública, uma vez que poderiam, por exemplo, prever séries periódicas, possíveis locais e perfil da população em casos de epidemia”, aponta.

Ao final do evento, a professora Annamaria Aranha Camargo apresentou a palestra Política Científica Atual da FAPESP para a Área da Saúde.

A docente é membro da coordenação adjunta de Ciências da Vida da agência de pesquisa paulista.

Fonte: UNESP-09.05.2016

Compartilhe!