Inovação

O uso do WhatsApp em benefício do setor da saúde no Brasil

Por Roberta Massa B. Pereira | 18.07.2016 | Sem comentários

Publicidade

Parte da rotina de mais de 100 milhões de brasileiros, o WhatsApp hoje é uma plataforma de conexão que comporta a troca de mensagens em vários diversos setores da sociedade, principalmente aqueles que exigem mais agilidade na comunicação, como no caso da saúde.

Por oferecer um sistema que privilegia a privacidade e a segurança das mensagens dos usuários, o WhatsApp tem sido usado por muitos profissionais de saúde, seja para conversar com seus pacientes, ou para participar de discussões com outros profissionais.

Segundo uma pesquisa de dezembro de 2015 feita pela consultoria britânica Cello Health Insigh, 87% dos médicos brasileiros usam o WhatsApp para conversar com pacientes.

“O WhatsApp oferece um serviço rápido, seguro e confiável, e as pessoas confiam na tecnologia para lidar com questões tão importantes como a saúde, por meio do aplicativo”, disse Jan Koum e Brian Acton, fundadores WhatsApp.

Abaixo estão alguns casos em que WhatsApp é utilizado no setor da saúde:

Grupo de mães de bebês com microcefalia – WhatsApp se tornou uma ferramenta para conectar mães com bebês com diagnóstico de microcefalia.

O grupo no WhatsApp tem mais de 60 mães de Pernambuco, que estão constantemente conversando sobre suas rotinas e também agendando encontro entre elas.

Uma psicóloga do Centro de Reabilitação Altino Ventura, local onde os bebês vão para participarem de sessões de terapia, como fisioterapia, terapia ocupacional, vídeo e áudio terapia, disse que tem observado que as mães que fazer parte de uma rede de compartilhamento e ajuda como um grupo no WhatsApp estão enfrentando as circunstâncias com mais resiliência.

Além disse, uma ginecologista foi convidada por uma paciente para ser membro do grupo. O doutor disse que até agora ele não viu nenhuma informação médica crítica ser disseminada nas conversas e que o grupo tem aberto seus olhos sobre o atraso que as mães enfrentam no agendamento de consultas e exames e ainda suas dificuldades com a aquisição de fraldas e alimentação adequada.

Grupo de Médicos e pesquisadores sobre Chikungunya e Zika Virus – O WhatsApp tem colaborado na discussão entre médicos que pesquisam o vírus Chikungunya.

Após um grande número de relatos de pacientes com manchas vermelhas, coceira e dores nas articulações em Pernambuco, um pesquisador da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) decidiu consultar colegas para saber se o fenômeno se repetia em outros lugares.

Um outro pesquisador, do Rio Grande do Norte, respondeu a questão no grupo do WhatsApp comentando sobre a possibilidade de ser Zika, e partir daí os médicos começaram a evoluir o debate e os estudos sobre a emergência do vírus e seus desdobramentos.

A facilidade de comunicação pelo aplicativo trouxe agilidade para a troca de informações que poderia levar meses, se dependesse de encontros de médicos em eventos profissionais.

Canais no WhatsApp para combate à dengue – A praticidade no envio de mensagens, fotos, vídeos e localização também permitiu que a população das cidades de Campina Grande (PB) e Santa Cruz do Capibaribe (PE) disponibilizassem canais no WhatsApp para receber informações da população sobre focos de dengue.

Os canais recebem denúncias e pedidos de vistoria nas residências a partir do envio de fotos e vídeos de terrenos baldios ou casas abandonadas que possam conter focos do mosquito Aedes Aegypti. O envio das mensagens colabora com a Vigilância Sanitária que a partir das informações enviadas já vai até o foco com os equipamentos necessários e número adequado de agentes. Segundo a prefeitura de Campina Grande, em um ano o canal chamado DengueZap já solucionou 1361 chamados enviados pelo aplicativo.

Grupo de Médicos Traumatologistas – Por ocasião da Copa, em 2014, a Sociedade Brasileira de Atendimento Integrado ao Traumatizado (SBAIT) criou um grupo no aplicativo reunindo médicos profissionais como cirurgiões, intensivistas, anestesistas e pediatras da rede pública e do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU).

Criado pensando em possíveis casos de acidentes com turistas, ações terroristas e conflitos entre ativistas e forças públicas, o grupo continua ativo após o campeonato e conta com médicos de 73 cidades no país que trocam informações com fotos e vídeos visando atender melhor e mais rápidos os pacientes.

Fonte: Grupo Ogilvy-18.07.2016

Ebook Planejamento Estratégico na Área da Saúde, baixe agora por apenas R$9,90. 

Compartilhe!