Educacional

Sírio Libanês amplia parceria com Memorial Sloan-Kettering Cancer Center

Por Roberta Massa B. Pereira | 18.08.2016 | Sem comentários

Publicidade

Instituição brasileira é a primeira, fora dos Estados Unidos, a integrar de registro de pacientes com tumor renal tratados com crioablação guiada por imagem

O Hospital Sírio-Libanês (HSL) foi convidado pelo Memorial Sloan-Kettering Cancer Center (MSKCC), dos Estados Unidos, para integrar o registro norte-americano de pacientes com tumor renal tratados com crioablação guiada por imagem.

O hospital brasileiro é a primeira instituição estrangeira a participar do projeto, conduzido pelos pesquisadores do MSKCC, uma das maiores referências em tratamento de câncer no mundo, juntamente com outros centros dos Estados Unidos.

O convite feito ao HSL decorre da experiência da instituição na área de crioblação guiada por imagem. Desde que iniciou a realização do procedimento, em 2006, o hospital registra 260 casos com alto sucesso terapêutico. “Atualmente somos a instituição brasileira que tem o maior volume e experiência nesse tratamento, tanto na questão de tempo como em quantidade de procedimentos”, explica o Dr. Marcos Menezes, radiologista intervencionista e coordenador do Centro de Intervenção Guiado por Imagem no Hospital Sírio-Libanês.

A crioablação consiste na aplicação de sucessivos ciclos de congelamento e descongelamento dos tecidos neoplásicos a partir de crioprobes (agulhas) inseridos precisamente no interior dos tumores sob orientação da tomografia, atingindo temperaturas mínimas de até -100°C promovendo a destruição do tumor de forma localizada preservando o restante do órgão.

Dica de leitura: ebook planejamento estratégico em saúde, baixe agora.

A técnica tem o potencial de preservação do parênquima renal com menor morbidade quando comparada com a cirurgia aberta ou laparoscópica.

A incidência desta neoplasia vem crescendo em todo mundo, fenômeno fortemente associado ao aumento do seu diagnóstico incidental pelos diferentes métodos de imagem. Outro fator importante seria o aumento da exposição a agentes carcinógenos diversos, principalmente os de maior concentração nas sociedades industriais urbanas.

Dessa forma, um grande número de neoplasias renais tem sido diagnosticado nas últimas duas décadas, a maioria composta por lesões pequenas (menores que 4 cm), de achado fortuito em exames de rotina, muitas vezes não relacionados a queixas do trato geniturinário (60% delas são descobertas de forma incidental).

No Brasil, embora não sejam disponíveis dados tão atuais, estima-se atualmente uma incidência aproximada de 7 a 10 casos por 100.000 habitantes/ano, segundo estatísticas do Instituto Nacional do Câncer.

A descoberta de um número cada vez maior de tumores incidentais pequenos e confinados ao parênquima renal, tem estimulado o desenvolvimento de terapias menos agressivas, capazes de preservar o maior volume possível de tecido renal viável.

A crioablação é uma modalidade de tratamento minimamente invasivo mais empregada e estudada no tratamento de tumores localizados no rim. Têm sido amplamente utilizada na última década, sobretudo em pacientes sem condição cirúrgica em Estádio I.

Apresenta como vantagem principal a menor invasividade, possibilitando destruição tumoral sem a necessidade de cirurgias ou incisões. Impactando em uma redução significativa da morbidade terapêutica, do tempo de internação e dos custos. “Colocando nossos dados nesse registro teremos acesso ao conjunto de dados geral, o que contribuirá com a linha de pesquisa que conduzimos atualmente aqui na instituição nessa área de crioablação.

Esse conjunto é importante porque é muito difícil que uma instituição, separadamente, tenha um volume significativo de casos desse tratamento para geração de um dado de impacto”, explica o Dr. Menezes.

Cooperação ampliada

A participação do Hospital Sírio-Libanês no registro de crioablação guiada por imagem do Memorial Sloan-Kettering Cancer Center integra o acordo de cooperação mútua instituído em 2010 entre as duas instituições.

O objetivo é desenvolver programas colaborativos de educação e treinamento em oncologia, que inclui a realização de simpósios, além do foco nas áreas de oncologia clínica, diagnóstico por imagem, Intervenção guiada por imagem, radioterapia, pesquisa e tecnologia da informação.

Construído sob os pilares do interesse mútuo, com resultados de médio e longo prazo, o acordo vem possibilitando a execução de ações conjuntas nas áreas de formação profissional, divulgação científica e assistência e pesquisa científica. 

Fonte: Hospital Sírio Libanês-18.08.2016

Compartilhe!