Denúncias

Revolta: ex-médico Abdelmassih, cumprirá pena em prisão domiciliar

Por Roberta Massa B. Pereira | 22.06.2017 | Sem comentários

Publicidade

O ex-médico Roger Abdelmassih, 73, condenado a 181 anos de prisão por abusar sexualmente de pacientes em sua clínica de reprodução, conquistou o direito de cumprir prisão domiciliar.

A decisão é da juíza Sueli Zeraik Armani, da 1ª Vara das Execuções Criminais de Taubaté, no interior de SP.

O médico cumpria pena em presídio em Tremembé desde o fim de 2014.

Há mais de um mês ele está internado no Hospital São Lucas, em Taubaté, para tratar de uma pneumonia.

O médico foi internado diversas vezes desde que foi preso por causa de problemas no coração.

A doença foi justificada por sua defesa para pedir, desde o ano passado, o indulto humanitário, dado a detentos que não têm condições de serem tratados dentro da cadeia.

Uma das vítimas de Abdelmassih, Vanuzia Lopes Leite, disse estar muito triste com a decisão. “Estamos com medo, tememos pela nossa vida”, disse Vanuza, que mora em Portugal.

Ela lidera um grupo de mulheres que acusam o ex-médico de estupro e se mobilizam para evitar que ele seja solto.

Ela chegou a mandar uma carta para a juíza fazendo um apelo para que o indulto humanitário não fosse concedido em nome das vítimas.

“Nós vítimas estamos verdadeiramente doentes. Temos laudo médico de síndrome do pânico, que pode ser agravada por essa decisão”, afirmou.

Abdelmassih deve cumprir a prisão domiciliar em um apartamento de alto padrão de 272 metros quadrados no Jardim Paulistano.

Onde moram sua mulher, a procuradora Larissa Sacco Abdelmassih, e os dois filhos do casal. O apartamento é avaliado em mais de R$ 4 milhões.

Saúde

Desde que foi preso, foram constantes as idas de Abdelmassih a hospitais para tratar de problemas de saúde. A internação mais longa já durava pouco mais de um mês.

Ele foi levado para o Hospital São Lucas, em Taubaté, para tratar de uma pneumonia em 18 de maio e ainda não havia retornado ao presídio.

A longa permanência fora das grades irritou alguns detentos, que viram nisso um indício de regalia.

Alexandre Nardoni, condenado pela morte da filha, Isabela Nardoni, cumpre pena no mesmo presídio e ficou apenas dois dias internado no início deste ano após passar por uma cirurgia de apendicite no Hospital Regional de Taubaté.

Para provar que Abdelmassih está com a saúde debilitada e conseguir o indulto humanitário, a defesa do ex-médico solicitou uma série de exames.

Um laudo foi realizado há cerca de dois meses pelo cardiologista Lamartine Cunha Ferraz a pedido da Justiça. O conteúdo não foi divulgado.

O promotor Luiz Marcelo Negrini de Oliveira Mattos, responsável pelo caso, deu parecer contrário à concessão do indulto.

Abdelmassih divide a cela com apenas um detento, um médico, que se tornou responsável por aferir sua pressão já que ele é hipertenso.

Ele chegou a ser repreendido pela direção do presídio no ano passado por exigir atendimento médico privado dentro da cadeia.

Por isso, o médico que cumpre pena no mesmo local foi autorizado pela Justiça a acompanhá-lo.

Sua dieta também era controlada, já que tem problemas gástricos.

O ex-médico também chegou a pedir uma cadeira de rodas à administração do presídio alegando não ter mais condições de se locomover.

Segundo pessoas que convivem com ele dentro do presídio, porém, Abdelmassih era constantemente visto caminhando e empurrando a própria cadeira.

Ele vinha recebendo visitas semanais da mulher e do casal de gêmeos. A família se encontra em uma sala reservada no presídio.

O caso

Abdelmassih ficou conhecido como “médico das estrelas” e chegou a ser considerado um dos principais especialistas em reprodução assistida do país, antes de ser acusado por dezenas de pacientes por abuso sexual.

O primeiro caso foi denunciado ao Ministério Público em abril de 2008, por uma ex-funcionária do ex-médico, como foi revelado pela Folha.

Depois, outras pacientes, com idades entre 30 e 40 anos, disseram ter sido molestadas quando estavam na clínica.

As mulheres afirmam que foram surpreendidas por investidas do ex-médico quando estavam sozinhas –sem o marido e sem enfermeira presente –os casos teriam ocorrido durante a entrevista médica ou nos quartos particulares de recuperação. Três dizem ter sido molestadas após sedação.

Em 2010, o ex-médico foi condenado em primeira instância a 278 anos de prisão pela série de estupros de pacientes.

A pena acabou reduzida para 181 anos em 2014 por causa da prescrição de alguns crimes.

Abdelmassih ficou foragido por três anos antes de ser preso e chegou a liderar a lista de procurados da Secretaria da Segurança Pública de São Paulo.

Ele foi localizado em agosto de 2014, em Assunção, no Paraguai, de onde foi deportado.

O Cremesp (Conselho Regional de Medicina de SP) iniciou um processo contra o médico em 2009, logo após as denúncias, e a cassação definitiva do registro profissional saiu em maio de 2011.

Fonte: Folha de São Paulo-22.06.2017.

Ebook Planejamento Estratégico em Saúde, baixe agora o seu.Planejamento Estratégico em Saúde
Compartilhe!