Educacional

Alunos de medicina da USP entram em greve por hospital-escola sucateado

Por Roberta Massa B. Pereira | 14.11.2017 | Sem comentários

Publicidade

Estudantes do curso de medicina da USP (Universidade de São Paulo) entraram em greve nesta segunda-feira (13).

O movimento atingiu todas as turmas da graduação —do 1º ao 6º ano.

Os 1.069 universitários resolveram não assistir às aulas para denunciar o sucateamento do Hospital Universitário, que é usado por eles nas aulas teóricas e no período de internato.

Quando o estudante atua como médico em diferentes especialidades sob a supervisão dos professores.

A última greve estudantil no curso de medicina ocorreu nos anos 1970, em plena ditadura militar, segundo o centro acadêmico Oswaldo Cruz.

A paralisação foi aprovada em assembleia realizada na semana passada.

De acordo com Maria Luiza Corullon, que preside o centro acadêmico Oswaldo Cruz, foi a falta de professores no hospital que motivou a greve.

A situação é crítica, segundo os estudantes, nas áreas de clínica, ginecologia e anestesia.

“Na pediatria, o ideal era ter 32 médicos. Hoje são 22. Se nada for feito, o pronto-socorro da área pode fechar”, diz Corullon.

Lean Six Sigma

A representante dos estudantes salientou que um processo de demissão em massa, com acordos voluntários de desligamento, fez diminuir o número de professores que atuam no hospital e são responsáveis pela monitoria.

“E os que ficaram estão sobrecarregados de plantões. E além de nós, quem mais sofre é a população que necessita de um atendimento público de qualidade”, afirma.

No ano passado, os médicos do Hospital Universitário entraram em greve reivindicando o mesmo pedido hoje feito pelos estudantes: mais contratações de especialistas para recompor o quadro.

Nesta terça (14), os alunos grevistas farão um protesto no vão-livre do Masp (Museu de Arte de São Paulo), por volta das 17h.

Eles prometem percorrer a avenida Paulista para expor o desmonte do Hospital Universitário, localizado na zona oeste da capital.

Outro Lado

Por meio de nota, a Faculdade de Medicina da USP lamentou a greve e classificou a paralisação de “atitude isolada dos estudantes”, que são custeados por verba pública e decidiram fazer uma greve “num momento difícil pelo qual o país passa.”

A faculdade afirmou ainda que está em busca de um convênio com a Secretaria Municipal da Saúde para “viabilizar o funcionamento do Hospital Universitário.”

“Todos os esforços estão sendo feitos, também pelo Departamento de Pediatria e pelo Instituto da Criança do Hospital das Clínicas.

Para que não haja prejuízo das atividades, principalmente do pronto-socorro infantil do HU”, segundo trecho do comunicado.

O curso de medicina é, tradicionalmente, um dos mais concorridos e bem avaliados da USP.

No vestibular 2018, a concorrência mais do que dobrou. Em 2017, eram 63,04 candidatos por vaga. Em 2018, serão 135,7, 115% a mais.

No RUF (Ranking Universitário Folha), a medicina da USP é o segundo melhor curso do país  – só perde para o da Unicamp (Universidade Estadual de Campinas).

Fonte: Folha de São Paulo – 14.11.2017.

Ebook Planejamento Estratégico, baixe agora mesmo o seu.Planejamento Estratégico em Saúde

 

Compartilhe!