Empreendedorismo

Hospital Sírio Libanês inicia expansão com primeira unidade fora de SP

Por Roberta Massa B. Pereira | 20.04.2018 | Sem comentários

Com investimentos de R$ 260 milhões, nova unidade do hospital, a primeira fora de SP – será inaugurada até o fim do ano no DF.

A ideia é oferecer o mesmo padrão de atendimento da sede.

No próximo dia 26 de abril, o Hospital Sírio-Libanês, referência no país em atendimento médico de qualidade, inicia um dos passos mais importantes de sua história.

Nessa data será lançada a pedra fundamental do Hospital Sírio-Libanês Brasília.

Nova unidade do grupo que deverá começar a funcionar a partir de novembro com investimentos de R$ 260 milhões e mais de 500 empregos gerados.

A iniciativa é simbólica por diversas razões.

Trata-se do primeiro hospital completo do Sírio fora de São Paulo – e o maior investimento da rede em muito tempo.

“Brasília contará com os mesmos serviços de excelência disponíveis em São Paulo”, diz o médico Gustavo Fernandes, diretor-geral da nova unidade.

A escolha de Fernandes para chefiar a operação brasiliense expõe a preocupação do Sírio em preservar seus padrões de qualidade.

Fernandes foi presidente da Sociedade Brasileira de Oncologia Clínica e é um dos grandes especialistas brasileiros nessa área.

Não é de hoje que o Sírio mantém laços com Brasília.

Em 2011, o hospital inaugurou um Centro de Oncologia na Asa Sul e, três anos depois, abriu a sua segunda operação desse tipo por lá.

Lean Six Sigma

Em 2016, foi a vez de investir em uma unidade de diagnóstico.

Diante dos bons resultados obtidos nessas frentes, o grupo detectou uma nova – e realizável – oportunidade.

Estava claro que havia em Brasília espaço para projetos mais ambiciosos.

Brasília tem uma das rendas per capitas mais altas do país e passou relativamente incólume pela crise dos últimos três anos, fatores suficientes para atrair investimentos como os do Sírio.

Além das razões econômicas, a geografia pesou a favor da cidade.

“Pacientes de Goiânia e até do Nordeste não precisarão mais se deslocar para São Paulo”, diz o médico Gustavo Fernandes.

A distância entre Salvador e São Paulo é de 2 mil quilômetros – ou 600 quilômetros a mais do que entre a cidade baiana e a capital federal.

Embora a decisão de fincar bandeira em Brasília tenha sido tomada há pelo menos dois anos, o hospital começou a sair do papel em meados de 2017.

Para agilizar processos e reduzir custos, o Sírio escolheu um prédio já existente na Asa Sul, próximo aos centros de oncologia e diagnóstico mantidos pelo grupo na cidade.

As obras de adaptação do edifício ficaram a cargo da construtora Engeform, que tem a área hospitalar como uma de suas especialidades.

“Como o prédio foi desenhado para fins comerciais, tivemos que fazer alguns ajustes, como reforço do piso e rebaixamento das áreas molhadas”, diz Simone Vallilo, diretora de Novos Negócios da Engeform.

O novo hospital terá 30 mil metros quadrados e contará com 144 leitos de internação (desses, vinte são de UTI), seis salas de cirurgia e um pronto atendimento. “

Teremos também um Centro de Diagnósticos para análises clínicas e equipamentos de última geração”, diz o doutor Fernandes.

No Brasil, como na maioria dos países desenvolvidos, os grandes hospitais têm atuação quase sempre regional.

Abrir unidades em rede é um complicador por uma simples razão: trata-se de um tremendo desafio manter padrões de qualidade em cidades diferentes.

Para não correr o risco de errar, o novo Sírio terá em Brasília equipamentos iguais ou até superiores aos de São Paulo.

Segundo o diretor-geral Gustavo Fernandes, os centros cirúrgicos contarão com equipamentos para cirurgias robóticas e ressonância intra-operatória.

Tecnologia capaz de determinar, em exames de imagem, a real extensão de um tumor durante a operação.

Além de oncologia e hematologia, a nova unidade irá oferecer atendimento nas áreas de cardiologia, ortopedia e neurologia, entre outras especialidades.

“O hospital de Brasília trará ganhos para São Paulo também”, diz o médico Fabio Gregory, superintendente de novos projetos do Sírio.

“A troca de experiências será fundamental para a formação de profissionais do hospital”.

Segundo o executivo, a partir do novo hospital o Sírio-Libanês ampliará a sua atuação nas áreas de ensino e pesquisa, compartilhando informações.

Um dos bens mais preciosos na medicina – entre as duas unidades hospitalares.

A chegada do Sírio a Brasília não terá impacto apenas entre os pacientes que podem pagar pelos tratamentos.

Com os novos investimentos, o hospital deverá ampliar seus projetos sociais.

Desde 2014 o Sírio mantém um acordo com o Hospital da Criança José Alencar para o atendimento gratuito de crianças e adolescentes que precisam de radioterapia.

Além disso, o grupo também realiza radioterapia gratuita em pacientes do SUS que são selecionados e encaminhados pela Secretaria de Estado da Saúde do governo do Distrito Federal.

Para o triênio 2018-2020, projeta-se o tratamento radioterápico de 1,2 mil pessoas.

O Sírio não divulgou o balanço de 2017, mas estima-se que suas receitas ficaram em R$ 2,1 bilhões, acima do R$ 1,8 bilhão registrado no ano anterior.

De acordo com os mais recentes dados disponíveis, o hospital conta com um quadro de 4 mil médicos e 6 mil colaboradores.

Que realizam atendimentos em mais de 60 especialidades diferentes.

Em 2018, o Sírio intensificará a diversificação de receitas.

A ideia é abrir unidades ambulatoriais dentro de empresas, ampliando uma iniciativa que começou com o Banco Votorantim.

Segundo o hospital, a meta é chegar a 20 operações desse tipo até o final do ano.

A investida em Brasília também faz parte do projeto de ampliação de receitas e é apenas o começo de um processo de expansão que pode levar o grupo para outras praças.

Os executivos do Sírio não falam sobre o assunto, mas a nova unidade servirá de laboratório para investimentos futuros.

Sonho levou 44 anos para ser realizado

Em 1921, a ideia de construir um hospital nasceu de uma prosaica reunião na casa da libanesa Adma Jafet.

Que desejava retribuir para São Paulo o acolhimento que a colônia sírio-libanesa recebeu da cidade.

Do encontro nasceria a Sociedade Beneficente de Senhoras, que abraçou a missão de angariar recursos, recrutar voluntários e construir um hospital na capital paulista.

O sonho foi maturado durante 10 anos, período dedicado especialmente para a captação financeira com empresários.

Em 1930, começam as obras do hospital e os primeiros equipamentos chegaram apenas em 1937.

Quatro anos depois, em plena Segunda Guerra Mundial, o prédio seria requisitado pelo governo de São Paulo para o Exército preparar cadetes.

Apenas em 1959 o edifício seria devolvido à Sociedade Beneficente de Senhoras.

Adma Jafet morreu em 1956 e não viu o sonho do hospital se realizar.

Sua filha, Violeta Basílio Jafet, assumiu a presidência da Sociedade logo depois e levou o projeto adiante.

No dia 15 de agosto de 1965 – 44 anos depois da ideia original – o Sírio-Libanês seria oficialmente inaugurado.

“A história do hospital é a prova que sonhos não têm limites”, diz Marta Kehdi Schahin, atual presidente da Sociedade Beneficente de Senhoras.

Instituição que filantrópica que ainda hoje desenvolve para o Sírio ações de assistência social, ensino e pesquisa.

Fonte: Jornal do Estado de Minas – 20.04.2018.

Ebook Planejamento Estratégico em Saúde, baixe agora o seu.

Planejamento Estratégico em Saúde

Compartilhe!