Educacional

A saúde do adolescente e o combate à obesidade no centro de discussões

Por Roberta Massa B. Pereira | 14.10.2015 | Sem comentários

Publicidade

Evento que acontece no Riocentro, se estende até a próxima sexta-feira

O Adolescente no Epicentro do Mundo foi uma das mesas redondas que abriram o segundo dia do 37º Congresso Brasileiro de Pediatria (CBP), que está sendo realizado no Riocentro, na capital fluminense. A primeira palestra coube à pediatra e professora Dra Alda Elizabeth Iglesias Azevedo, responsável pelo Ambulatório de Medicina de Adolescentes do Hospital Universitário Júlio Müller, da Universidade Federal do Mato Grosso (UFMT). A especialista falou sobre o impacto das campanhas publicitárias, principalmente aquelas voltadas para a venda de produtos, na vida de crianças e adolescentes. Segundo a pediatra, que é professora da Faculdade de Ciências Médicas da UFMT, os profissionais de saúde devem orientar os pais a não deixarem as crianças e adolescentes por muito tempo vendo TV.

Além de evitar o consumismo, com atitudes como esta é possível combater outros problemas, como a obesidade. A especialista lembrou que muitas vezes, este público deixa de praticar atividades físicas para permanecer durante horas em frente à TV. Na opinião da Dra Alda, os pediatras devem orientar os pais e as crianças a discernir o certo do errado, e escolher melhor os programas de TV para assistir.

Já a pediatra e pesquisadora dra Rachel Niskier Sanchez, do Instituto Nacional de Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente Fernandes Figueira da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), falou sobre Violência Sexual. A especialista lembrou que várias leis e normas dão o respaldo jurídico necessário para os pediatras para que descrevam no prontuário quando se depararem com crianças e adolescentes vítimas de violência sexual. De acordo com a médica, existem alguns fatores de vulnerabilidade que devem ser observados, como família em situação de crise (quando há desemprego, doença crônica, morte e separação conjugal), famílias com muitos filhos, e relações familiares centradas em papéis rigidamente definidos.

A promoção na gentileza no namoro como forma de combater a violência entre jovens adolescentes foi a palestra apresentada por Viviane Manso Castello Branco,  coordenadora de Políticas e Ações Intersetoriais da Superintendência de Promoção da Saúde da Secretaria Municipal de Saúde do Rio de Janeiro. Ela expôs como o profissional de saúde pode contribuir para evitar casos de violência no namoro, que segundo a especialista ocorre quando uma pessoa exerce poder e controle sobre a outra (o parceiro), com o objetivo de obter o que deseja.

A especialista apresentou sugestões de temas que os pediatras podem abordar com os adolescentes, para acabar, por exemplo, com mitos, como ciúme é prova de amor, a violência vai acabar depois do casamento, é melhor ter namorado violento do que não ter namorado, e amor exige sacrifício. O objetivo é que o profissional possa ajudar o paciente a ver se o relacionamento é bom para ele, e estimular o namoro mais saudável, com mais gentileza.

Painel de debates Obesidade

O combate à obesidade infanto-juvenil foi outro tema de destaque dentro da programação do 37º CBP nesta terça-feira. O pediatra com área de atuação em Nutrologia  Hélio Fernandes da Rocha explicou que uma das formas de evitar a obesidade em crianças é a amamentação até os dois anos e a partir daí orientar a criança a ter hábitos adequados de alimentação.

Para Rocha, que é professor de Nutrologia Pediátrica da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e chefe do Serviço de Nutrologia Pediátrica do Instituto de Puericultura e Pediatria Martagão Gesteira (IPPMG), outra forma de se combater a obesidade é a intervenção nas escolas, com criação, por parte do poder público, de programas voltados para a orientação dos alunos.

O especialista lembrou ainda que hoje a comunicação se concentra no mundo digital e deve ser usada para combater a doença.

A outra palestra dentro do painel foi apresentada pela pediatra Dra Raquel Pitchon Reis, presidente da Sociedade Mineira de Pediatria (SMP). Ela falou sobre a campanha de prevenção que a entidade criou e tem como mote a importância da educação. A ação preventiva e educativa conta com a cartilha “A Culpa é Sua”, elaborada com o apoio da Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP), que foi distribuída aos participantes do evento.

A especialista lembrou que questões genéticas e ambientais estão envolvidas na obesidade, e que os pediatras podem orientar seus pacientes a se tornarem agentes da própria mudança no estilo de vida.

 

 

Compartilhe!