Qualidade

Pais previnem mais erros médicos do que profissionais, diz pesquisa

Por Roberta Massa B. Pereira | 05.04.2016 | Sem comentários

Estudo norte-americano aponta que um em cada dez pais já encontrou algum problema antes da equipe médica[

Uma pesquisa realizada nos Estados Unidos e publicada no periódico científico de medicina JAMA apontou que pais são responsáveis por evitar mais erros médicos do que profissionais.

O estudo analisou os casos de 383 crianças hospitalizadas nos anos de 2013 e 2014, e 34 pais relataram 37 incidentes de segurança, dos quais 23 eram falhas médicas.

Dentre as falhas, 30% causaram danos ou problemas evitáveis.

Alisa Khan, autora do estudo e pesquisadora de Harvard e do Hospital Infantil de Boston, disse em entrevista à agência Reuters que, apesar dos esforços da equipe, erros podem acontecer por conta da complexidade do ambiente hospitalar.

Entre os casos relatados como eventos adversos estão a demora na detecção de objetos esquecidos no corpo das crianças após cirurgia, problemas de retenção urinária não percebidos, atrasos de medicações, além de infecções por ferida mal revestida e cateter esquecido no corpo de um paciente.

Os pais apontaram que a dificuldade de comunicação com médicos é um dos fatores que contribui para uma série de erros.

Esses eventos podem resultar em aumento no tempo de internação e complicações metabólicas e neuromusculares, segundo o estudo.

Outro dado complementar, que corrobora o resultado, é que crianças com pais que não falam o idioma do país foram consideradas mais vulneráveis a erros médicos.

De acordo com a autora do estudo, uma das soluções seria envolver mais os pais e valorizar a presença deles na reabilitação e tratamento dos pacientes pediátricos. “Os pais podem perceber coisas diferentes e fornecer informações complementares que ajudariam a tornar o tratamento mais seguro”, afirma.

Errar é Humano

Em 1999 quando foi publicado o livro “Errar é Humano”, relatava-se que, a cada ano, morriam 98.000 pessoas devido a incidentes com danos preveníveis. Em recente publicação, em 2013, novo estudo mostrou um cenário pior, com 440.000 mortes por dano preveníveis. “Apesar dos avanços após a publicação do ‘Errar é Humano’, a segurança do paciente permanece como uma questão de saúde pública”, afirma José Ribamar Branco, diretor executivo e fundador do IBSP.

Para o Dr. Antonio Capone Neto, Gerente Médico da Qualidade e Segurança do Paciente do Hospital Israelita Albert Einstein, a direção hospitalar tem papel decisivo para evitar eventos adversos em seus pacientes: “A redução de eventos adversos é o resultado de um conjunto de medidas que envolve todas as áreas do hospital. A liderança do hospital deverá primeiramente, como já foi dito, colocar a segurança do paciente como uma diretriz estratégica”.

E quando isso ocorrer, o Dr. Dario Fortes Ferreira,  superintendente médico do Hospital Samaritano e presidente do IBSP – Instituto Brasileiro para Segurança do Paciente, acredita que a responsabilidade diante do erro deve ter a intervenção da alta direção dos hospitais. Isso quer dizer que é preciso informar a família de um paciente sobre a ocorrência de um evento adverso, mesmo que seja um momento difícil que o gestor vá enfrentar. “Ao gestor cabe a obrigação moral de reagir ao problema, ser verdadeiro, dar apoio e suporte, inclusive financeiro”, diz

Fonte: Instituto Brasileiro para Segurança do Paciente-05.04.2016

 

Compartilhe!