Gestão

Situação financeira faz pacientes procurarem clínicas populares

Por Roberta Massa B. Pereira | 26.09.2016 | Sem comentários

Publicidade

A situação financeira tem feito moradores do noroeste paulista a desistir dos planos de saúde e quem não quer ou não pode esperar pelo SUS, Sistema Único de Saúde, tem encontrado uma alternativa. Na região tem aumentado o movimento nas clínicas populares.

A aposentada Mariza de Melo Costa sempre teve convênio médico, mas nos últimos anos, o valor do plano subiu muito e ela parou de pagar. Agora quando precisa de um especialista, ela recorre a uma clínica popular. “Já procurei um médico em outro hospital e a consulta era R$ 300, na clínica eu paguei R$ 70 os exames também eu fiz na clínica, cotei na cidade inteira e era mais barato”, afirma.

Mariza não está sozinha. Desde maio do ano passado, 1,4 milhão de clientes desistiram dos planos de saúde, segundo a ANS, Agência Nacional de Saúde.

E com isso, o movimento nas clínicas populares não parou de aumentar. “A partir de agosto deste ano os nossos atendimentos dobraram devido a esses pacientes terem migrado do convênio, terem deixado de pagar, ou ter se desligado de alguma empresa que oferecia esse convênio”, afirma Fabiano de Moraes, coordenador de clínica.

Indicação de leitura: Ebook Lean Six Sigma em Saúde.

Os exames também são mais baratos. O raio X que costuma custar R$ 120, na clínica popular sai por R$ 50. O hemograma completo, que pode chegar a R$ 35, na clínica custa R$ 15.

Só em São José do Rio Preto (SP), são cinco clínicas desse tipo.

Uma delas tem pouco mais de um ano. Quando começou a funcionar eram feitos em média 100 atendimentos por mês. Este ano, a procura aumentou e a média tem sido em torno de 500 atendimentos por mês. “Existe uma porcentagem, a gente consegue trabalhar com esse preço, uma porcentagem fica para ele outra para clínica, para o médico e até maior que ele ganha no convênio, vantagem para o médico e para o paciente”, diz o médico sócio André Luiz Del’Arco.

O construtor Célio Luiz da Rocha precisava de um oftalmologista. Pelo SUS, só tinha consulta para daqui a seis meses. Quando ele descobriu que era possível pagar R$ 89 nestas clínicas, não pensou duas vezes. “Vim de manhã e já fui consultado. É rápido, acessível e tem preço bom”, afirma.

Outra clínica em Rio Preto começou a funcionar em abril. Em cinco meses, o número de consultas por dia passou de três para 30. “A gente acaba pegando essa fatia da população que não tem esse atendimento de qualidade do SUS e não tem condições de pagar um plano de saúde”, afirma o administrador Lucas Ferreira Queiroz.

Fonte: G1 – 26/09/2016.

Compartilhe!