Gestão

MPE investiga consultas particulares em hospital público

Por Roberta Massa B. Pereira | 19.01.2017 | Sem comentários

Cirurgião teria feito mais de 50 atendimentos particulares em Porto Nacional. Promotoria diz que município não fiscaliza a fila de cirurgias eletivas.

O Ministério Público Estadual abriu uma investigação para apurar se médicos de Porto Nacional, na região central do Tocantins, usaram o Sistema Único de Saúde para prestar atendimentos particulares.

A suspeita da promotoria é de que cirurgiões teriam encaminhado pacientes dos próprios consultórios para atendimentos no Hospital Regional da cidade.

Em alguns casos, um único profissional teria passado mais de 50 clientes na frente dos usuários do SUS.

O MPE afirma que não há fiscalização na fila das cirurgias eletivas e dos atendimentos no hospital e que isso possibilitou as fraudes.

Nas listas encontradas pelo ministério há inclusive pacientes de outros estados sendo atendidos em Porto Nacional.

No Tocantins, o hospital de referência para atendimentos de pacientes de fora do estado é o Hospital Geral de Palmas, exceto em casos de urgência e emergência.

“É possível que a demanda de consultórios médicos particulares esteja escoando para o Serviço Único de Saúde.

E que os procedimentos cirúrgicos destes pacientes estejam ocorrendo em detrimento dos outros usuários que já estavam à espera de cirurgia”, comentou a promotora Márcia Mirele Stefanello Valente.

Ela é a titular da 7ª Promotoria de Justiça de Porto Nacional e responsável pelas investigações.

O G1 entrou em contato com a Sesau, mas até a publicação dessa reportagem ainda não havia obtido resposta.

Ainda de acordo com o MPE, houve uma audiência entre o governo do estado e a diretoria da unidade.

O acordo foi que em dez dias a Secretaria de Saúde vai apresentar um plano para implantar a fiscalização.

O plano deve entrar em vigor até o dia 15 de março.

Fonte: G1-19.01.2017.

Ebook Lean Six Sigma em Saúde, baixe agora o seu ebook.

Compartilhe!