Inovação

A jornada da Transformação Digital na Saúde

Por Roberta Massa B. Pereira | 01.10.2021 | Sem comentários

O termo “transformação digital” vem sendo conhecido e popularizado cada vez mais, principalmente com a chegada da Pandemia e devido ao período que ela tem se prolongando.

A transformação digital se tornou um caminho sem volta. Essa nova realidade tem muitos desafios dentro da Saúde, principalmente na Saúde Pública.

Para tratar desse assunto, decidi preparar uma série de artigos abrangendo e contextualizando os desafios da digitalização da saúde no Brasil e mostrando a importância do tema.

Nos artigos que trarei sobre o tema vamos entender um pouco sobre o atual estágio da transformação digital da saúde, os desafios, oportunidades e o papel das empresas privadas nessa nova realidade.

Transformação digital: A pandemia adiantou os processos

Muitos empreendedores e empresas tiveram que agir de imediato e inovar de forma drástica para se manterem competitivos no mercado, já o cidadão brasileiro que vinha enfrentando dificuldades devido ao desemprego e aos demais problemas econômicos e sociais, precisou se reinventar para garantir o sustento de suas famílias.

Uma das saídas das empresas, instituições e empreendedores para conseguir “respirar” mesmo com a ajuda de aparelhos (estando na UTI), foi o investimento em transformação de serviços não digitais em digitais.

Vale lembrar quedurante um bom tempo, por conta da pandemia, mesmo que querendo o cliente não podia consumir os serviços presencialmente. Cada estado definiu restrições para combater o avanço da contaminação.

Transformação Digital no Brasil

O que alguns desconhecem é que a transformação digital já estava ocorrendo no Brasil, porém ela foi acelerada e priorizada para alguns serviços devido a Pandemia.

No governo, o Decreto 10.332/2020  é a prova concreta de que esse processo já estava em andamento, foi publicado oficialmente em 29 de abril de 2020, porém já estava sendo trabalhado internamente de forma estrategicamente desde 2019.

O decreto legitimou, deu publicidade e direcionamento as ações de todos os órgãos federais, objetivando a Transformação do Governo pelo Digital, e desde então esse processo de mudança de paradigma vem sendo disseminado nas esferas (Federais, Estaduais e Municipais), nos serviços públicos e privados e aos demais Stakeholders.

Mas afinal de contas, o que é a transformação digital?

A transformação digital é um processo de melhoria contínua de desempenho das organizações por meio do uso de tecnologias e estratégias para criar e/ou transformar seus processos de negócio, cultura e experiência dos clientes, de modo a atender ao mercado e ao negócio que vivem em constantes mudanças.

É necessário que as empresas inovem a sua mentalidade estratégica levando-a para além de sua infraestrutura e sistemas de TI.

Como a transformação digital foi inserida na Saúde Pública e seu desmembramento na saúde privada?

A premissa da transformação do Governo pelo Digital foi estruturada em 3 grandes eixos, sendo eles:

  1. Transformação de Serviços;
  2. Unificação de canais; 
  3. Interoperabilidade.

Com base nos 3 eixos, a transformação digital da saúde foi estruturada com o objetivo de:

  • Ampliar a digitização dos serviços prestados no SUS;
  • Reduzir o esforço do cidadão no acesso aos serviços digitais de saúde;
  • Promover o intercâmbio de informações entre os pontos da Rede de Atenção à Saúde, permitindo a transição e continuidade dos cuidados nos setores público e privado.

Os objetivos foram trabalhados internamente e transformados em metas especificas, que são controladas e monitoradas mensalmente, sendo elas:

  1. Mapeamento dos serviços não digitais para possível transformação em Digitais.
  2. Atualizar integramente todo o conteúdo dos serviços do Portal da Saúde.
  3. Disponibilizar serviços de saúde através de um canal único de serviços.
  4. Implantar a Rede Nacional de Dados em Saúde – RNDS em todo o Brasil.
  5. Levar conectividade (acesso à internet) as Unidades de Saúde da Família (USF).
  6. Disponibilizar ao cidadão o acesso ao seu histórico clínico, vacinas e resultados de exames através do Conecte SUS, integrado com a RNDS.

A princípio, a transformação digital da saúde resumida em 6 ações conforme descrito acima, parece algo de simples execução, a solução seria somente contratar alguns desenvolvedores qualificados, gerentes de projetos resolutivos e alguém para coordenar tudo isso com maestria e pronto, o processo de transformação está concluído. 

A realidade da transformação digital na saúde do Brasil

Se na teoria parecia um caminho fácil, a prática da implementação da transformação digital na saúde pública é bem diferente.

O Brasil possuí, o maior e mais complexo Serviço Único de Saúde (SUS), pública do mundo e tudo, isso faz com que tudo seja muito amplo e de complexa implementação.

Do ponto de vista técnico, podemos visualizar o seguinte cenário do contexto de dados:

  • Informações em planilha em Excel e Word;
  • Sistemas legados com tecnologias não aderentes aos avanços atuais;
  • Sistemas diferentes internos utilizados para uma mesma funcionalidade;
  • Estados e Municípios utilizando os sistemas do Ministério da Saúde;
  • Estados e Municípios utilizando sistemas próprios. 

Essas são apenas alguns fatores, agora pensando na prática, como alinhar e parametrizar a taxonomia, forma de contabilização e conceitos dos dados?

Resumindo: como transformar, conectar, integrar e disponibilizar dado gerando informações estratégicas confiáveis para a implementação de políticas públicas eficientes e direcionar o mercado de saúde?

Certamente, o processo de implementação da transformação digital da saúde é tão complexo, quanto a magnitude do sistema único de saúde.

Do ponto de vista de execução, a complexidade não se estende somente a disponibilização de recursos financeiros, a capacidade operacional e a infraestrutura e treinamento, esses são recursos mínimos para o andamento da transformação digital da saúde.

O desafio da continuidade da transformação digital da saúde está em formular, normatizar, fiscalizar, monitorar e avaliar as políticas e ações, de modo que estejam alinhadas e pactuadas entre todos os envolvidos no processo.

A forma de envolver todos os atores nesse processo começa garantindo que os Comitês Estratégicos e Táticos estejam sempre ativos e atuantes, eles são instrumentos fundamentais de comunicação e alinhamento.

É preciso cuidado pois decisões unilaterais não tendem a evoluir em um projeto de transformação digital e perdem sua forma rapidamente.

Desafios para a transformação digital na saúde pública do Brasil

Tratando-se ainda da ótica federal, porém com uma visão mais abrangente de transformação digital de serviços de saúde, onde possam envolver diretamente e simultaneamente todas as esferas (Federal, Estadual e Municipal), sem sombra de dúvidas um dos grandes desafios é lidar com os fatores políticos regionalizados que também acabam interferindo diretamente no processo de transformação digital de serviços.

Na estrutura macro de governança temos, o Conselho Nacional de Saúde (CNS), as Secretaria Estaduais de Saúde (SES), as Secretarias Municipais de Saúde (SMS), os Conselhos de Saúde (Nacional, Estadual ou Municipal), a Comissão Intergestores Tripartite (CIT), Comissão Intergestores Bipartite (CIB), o Conselho Nacional de Secretário de Saúde- CONASS, o Conselho Nacional de Secretarias Municipais de Saúde – CONASEMS e Conselhos de Secretarias Municipais de Saúde – COSEMS.

Os canais de comunicação existem, o sistema de governança de ações está muito bem estruturado em todas as esferas, porém eles necessitam de ações alinhadas e articuladas estrategicamente entre todos os níveis com os mesmos objetivos.

A perspectiva de futuro norteia em implantar a Rede Nacional de Dados em Saúde em todo o Brasil, com o cidadão tendo acesso integral ao seu histórico clínico com vacinas, consultas realizadas, medicações, exames, entre outras informações, um prontuário eletrônico do cidadão no SUS.

Por esse motivo, destaco a importância do alinhamento dos stakeholders no processo de transformação digital da saúde e a institucionalização normativa que irá garantir a continuidade das ações, independente das mudanças políticas ao longo do tempo.

Pensar nesses detalhes é crucial para que essa jornada caminhe de forma contínua e alcance todas as esferas públicas da saúde no país.

Término por aqui esse primeiro artigo, conseguimos ter uma visão geral sobre o atual cenário da transformação digital na Saúde do Brasil.

No próximo artigo vamos falar um pouco mais sobre oportunidades e desafios que se abrem dentro desse novo cenário, tanto para empresas como para o cidadão que já está sendo beneficiado com novo momento.

Até a próxima!

Compartilhe!