Saúde

Santa Casa de São Paulo consegue empréstimo para desafogar dívidas

Por Roberta Massa B. Pereira | 06.12.2016 | Sem comentários

Publicidade

Em acordo realizado nesta terça (6), Caixa disponibilizou quantia que servirá para “desafogar” o hospital, que vive grave crise financeira.

Depois de mais de ano de espera, a Santa Casa de Misericórdia de São Paulo assinou um contrato com a Caixa Econômica Federal para receber uma linha de crédito no valor de 360 milhões de reais.

O acordo foi realizado nesta terça-feira (6) na presença do governador Geraldo Alckmin e do presidente Michel Temer.

Os recursos devem estar sob o poder do hospital em trinta dias. Trata-se de um remédio necessário.

Esse dinheiro servirá para reestruturar e dar um fôlego à atual gestão. Existe uma crise severa na entidade desde 2014, quando seu pronto-socorro chegou a ser fechado.

A gestão de José Luiz Setúbal, que assumiu o comando do hospital em julho de 2015, tirou o local da UTI financeira – mas ainda com diversos problemas operacionais.

Recentemente, cirurgias não emergenciais foram canceladas e os estoques estão sem diversos tipos de remédios.

“Esse empréstimo será fundamental para voltarmos à normalidade”, diz Setúbal. Leia outros trechos da entrevista:

Desde que assumiu a Santa Casa, em julho de 2015, o senhor pleiteia esse empréstimo. Por que demorou tanto?

Pedíamos uma linha de crédito para o BNDES. Depois, devido à urgência da situação, a demanda foi transferida para a Caixa.

O banco tem um segmento de empréstimo para hospitais.

Na verdade, as coisas estavam paradas. Sentamos mesmo para negociar a linha de crédito há dois meses, com a nova gestão do banco, agora presidido por Gilberto Occhi.

Para que servirá o empréstimo de 360 milhões de reais?

Iremos pagar dívidas com bancos variados, essas com juros maiores, e acertar atrasos com fornecedores.

Hoje, pagamos 9 milhões de reais de juros por mês. Esse valor cairá pela metade.

Qual será o impacto para os pacientes?

Dentro de um mês e meio, queremos voltar à normalidade. Isso significa retomar cirurgias não urgentes que tinham sido adiadas e, também, voltar a ter estoque de remédios.

O prefeito eleito João Doria quer a Santa Casa dentro do programa Corujão da Saúde, uma de suas principais bandeiras de campanha. O hospital vai participar?

Houve sondagem por parte dele, mas não sentamos para falar.

A Santa Casa tem ociosidade em determinadas áreas, como ambulatórios que fecham às 17 horas. Então, sim, é possível participar.

Mas a questão fundamental é saber se a prefeitura pode arcar com as despesas. Não temos condições financeiras de gastar dinheiro com esse programa.

Se a gestão municipal assumir os gastos, tudo bem. A missão da Santa Casa é ajudar.

Fonte: Veja SP-06.12.2016.

Ebook Planejamento Estratégico em Saúde, baixe agora o seu.

Compartilhe!