Empreendedorismo

Família de fundador da Amil investe em Startups na área de Saúde

Por Roberta Massa B. Pereira | 15.08.2017 | Sem comentários

Publicidade

A DNA Capital – empresa de investimentos da família Bueno, fundadora da Amil – está investindo em empresas iniciantes (startups) da área da saúde.

Além de ser acionista da maior operadora de convênios médicos do país, a família Bueno é dona da rede de laboratórios de medicina diagnóstica Dasa e do Ímpar, grupo com seis hospitais como Santa Paula e 9 de Julho, ambos localizados em São Paulo.

O primeiro aporte da DNA Capital em startups foi feito na Beep Saúde.

Trata-se de uma plataforma tecnológica que oferece serviços como atendimento médico domiciliar, venda de vacinas e exames, softwares para telemedicina, entre outros.

A primeira rodada de investimento foi de R$ 5 milhões para um período de 18 meses e outros aportes podem ser efetuados após esse prazo.

Numa estratégia casada, a Beep fechou também parceria com a Dasa.

O cliente compra a vacina ou o exame na plataforma e realiza os procedimentos num dos laboratórios do grupo, que inclui redes como Lavoisier.

“Por conta do acordo e volume conseguimos preços diferenciados”, disse o médico Vander Corteze, um dos fundadores e presidente da Beep Saúde.

Um exemplo é a vacina meningocócica que é comercializada por R$ 600 em São Paulo e R$ 700 no Rio e vendida a R$ 490 na plataforma da Beep.

Corteze também está negociando com as seguradoras e operadoras de planos de saúde para que elas paguem o atendimento médico domiciliar.

“É normal as pessoas irem ao pronto-socorro para casos simples, mas o custo é maior por causa da infraestrutura do hospital.

Uma consulta médica domiciliar é mais barata para a operadora”, disse o presidente da Beep.

Uma consulta em casa acionada por meio da plataforma custa em média entre R$ 200 a R$ 500 para o usuário do serviço.

A locomoção do médico até a residência do paciente é feita por meio de um carro da Uber que, por sua vez, é acionado pela Beep.

Outra aposta da startup é a telemedicina. A legislação brasileira não permite atendimento médico a distância, mas se o paciente estiver acompanhado de um médico e precisar acionar um outro especialista, esse contato pode ser feito por meio de uma plataforma tecnológica.

A Beep já trabalha nesse modelo com a Connect Care, uma clínica de atendimento a distância.

Lançada no ano passado, a Beep Saúde tem 800 médicos cadastrados em São Paulo e no Rio de Janeiro.

“Realizamos cerca de 1 mil consultas médicas por mês e a nossa meta é que até o fim do ano esse número dobre”, disse Corteze.

A DNA tem sob sua gestão vários fundos de investimento que controlam, por exemplo, a Dasa e a Ímpar.

O family office não é responsável pela gestão operacional desses negócios, mas está à frente de determinados trabalhos como aquisições e emissão de ações.

Na semana passada, a companhia de medicina diagnóstica aprovou uma emissão de R$ 400 milhões em debêntures que foi coordenada pela DNS.

A Dasa é a maior companhia de medicina diagnóstica do país, com faturamento de R$ 1,8 bilhão no primeiro semestre deste ano, uma alta de 8,3% em relação ao mesmo período de 2016.

Em janeiro, o grupo adquiriu o laboratório Salomão Zoppi por R$ 600 milhões.

Fonte: Valor Econômico – 15.08.2017.

Ebook Planejamento Estratégico em Saúde, baixe agora o seu.Planejamento Estratégico em Saúde

 

Compartilhe!