Tecnologia

Digitalização de documentos otimiza os processos e tratamentos

Por Roberta Massa B. Pereira | 29.08.2017 | Sem comentários

Publicidade

Digitalização: inovações desenvolvidas por líderes mundiais da indústria tecnológica miram a transformação digital para maior qualidade de assistência e produtividade das instituições e do sistema de saúde. 

A Siemens Healthineers , por exemplo, responde por criações como o equipamento robótico Artis Zeego, que facilita procedimentos minimamente invasivos, e o Teamplay, sistema em nuvem colaborativo com base em protocolos e informações como exames, benchmark da marca e volumetrias das organizações.

Outro destaque é a solução de Gerenciamento de Saúde Populacional (PHM, na sigla em inglês), plataforma baseada na cadeia de valor para suportar decisões clínicas a partir de evidências e boas práticas.

Tem parceria da IBM para uso da computação cognitiva Watson.

A digitalização permite padronização de processos e automação para ganho de sinergias com a industrialização do sistema”, afirma o diretor executivo da área de saúde da Siemens Healthineers, Armando Lopes.

Na linha de serviços, um dos destaques é a sala de comando remoto, que permite otimizar fluxos de trabalhos e padronizar protocolos.

No Brasil, é usada pela Alliar Médicos à Frente – a sala emprega tecnologia de conexão remota de equipamentos médicos e permite acompanhamento de ressonâncias magnéticas a distância por meio de câmeras, interfaces de áudio e sensores.

Lean Six Sigma

A GE também propõe centros de comando para controlar e otimizar operações em tempo real.

Está iniciando projeto que irá melhorar a produtividade de áreas como centros cirúrgicos e emergência.

Outra inovação da marca é a plataforma Centricity Clinical Archive, para concentrar informações do paciente, como exames de imagem, preservando o formato de origem.

Mais um exemplo é a plataforma desenvolvida com o Hospital de Câncer de Barretos (SP).

“A solução fica cada vez mais completa, com ferramentas como o mamógrafo com controle de pressão pelo paciente”, diz o líder de saúde digital da GE Healthcare, Paulo Benevicius.

“O avanço tecnológico em saúde tem incrementos marginais.”

Um exemplo é a novidade da Fujifilm: o virtual grid, software que elimina o efeito de dispersão e melhora o contraste em exames de raio X simulando o uso da grade antidifusora dos equipamentos.

Outro é a extensão, para a área da saúde, dos avanços obtidos por tecnologias como a inteligência artificial.

Para o líder de Watson Health da IBM no Brasil, Fábio Mattoso, a enorme quantidade de informações médicas não estruturadas e sem cruzamento são os principais desafios endereçados por big data e computação cognitiva.

A IBM oferece no Brasil as soluções Watson for Oncology, Watson for Drug Discovery e Watson Genomics.

O Hospital Mãe de Deus, de Porto Alegre (RS), foi pioneiro na América do Sul a adotar a primeira, focada em análise de dados e identificação de tratamentos.

A ferramenta foi “treinada” pelo Memorial Sloan Kettering Center (MSK), de Nova York, e possui mais de 15 milhões de conteúdos científicos.

A indústria farmacêutica brasileira especializada em dermatologia TheraSkin emprega a segunda para desenvolver produtos e medicamentos com base em pesquisas clínicas.

A terceira é usada pelo Fleury.

Além disso, a plataforma Watson entra em vários campos.

No software de gestão hospitalar da MV, identifica patologia, sintoma, medicamento e alergia nos campos de anamnese dos prontuários eletrônicos para entregar informação estruturada.

A startup Dr. Cuco usa a tecnologia para lembrar os usuários de medicamentos a tomar e a Solis envia prescrições eletrônicas a farmácias.

A Microsoft busca apoiar profissionais da saúde com soluções como a implementada no grupo Oncoclínicas, onde o mapeamento de tumores e órgãos saudáveis para radioterapia caiu de 30 para cerca de três minutos com uso de inteligência artificial.

No ano que vem é a vez de protótipo para usar informações do paciente e dados de pesquisas, tratamentos e prescrições para criar correlações e ajudar decisões sobre quimioterapia.

A Microsoft busca apoiar profissionais da saúde com soluções como a implementada no grupo Oncoclínicas.

Onde o mapeamento de tumores e órgãos saudáveis para radioterapia caiu de 30 para cerca de três minutos com uso de inteligência artificial.

No ano que vem é a vez de protótipo para usar informações do paciente e dados de pesquisas, tratamentos e prescrições para criar correlações e ajudar decisões sobre quimioterapia.

Outra linha é a democratização dos tratamentos.

A Hi Technologies usa tecnologias Intel e nuvem, inteligência artificial e tecnologia de internet das coisas da Microsoft para realizar exames para detecção de zika, dengue, HIV, gravidez, hepatite e outros de forma ágil com o Hilab, dispositivo que cabe na palma da mão e coleta sangue do dedo do paciente.

“A saúde é central no movimento de transformação digital, com enorme potencial de melhoria”, diz o líder de inteligência artificial da Microsoft na América Latina, Fábio Scopeta.

Fonte: Valor Econômico – 29.08.2018.

Ebook Planejamento Estratégico em Saúde, baixe agora o seu.Planejamento Estratégico em Saúde

 

Compartilhe!