Saúde

Avanço de doenças respiratórias faz Hospital Infantil Sabará fechar

Por Roberta Massa B. Pereira | 24.04.2018 | Sem comentários

Publicidade

O Hospital Infantil Sabará, na região central de SP, suspendeu atendimento e centros médicos infantis ficaram sobrecarregados; maior demanda é de bebês.

O pronto-socorro do Hospital Infantil Sabará, em Higienópolis (região central), fechou as portas na manhã dessa segunda-feira, 23.

Após alcançar a marca de mais de 30 crianças internadas, o dobro da capacidade, de 14 leitos.

A medida sobrecarregou outros hospitais da região.

No Hospital Samaritano, no mesmo bairro, a espera para atendimento de pediatria chegou a seis horas.

O quadro se agravou com o aumento de casos de doença respiratória em bebês.

A maioria das infecções é provocada pelo vírus sincicial respiratório (VSR), que em adultos provoca apenas um resfriado.

Mas em crianças pequenas pode levar a um quadro grave de bronquiolite, com insuficiência respiratória e até risco de morte.

O aumento de pacientes com bronquiolite já é esperado no outono, mas o quadro deste ano parece mais severo, segundo médicos.

Lean Six Sigma

“O que tem surpreendido é o alto número de casos graves de bronquiolite entre bebês muito pequenos, de até 3 meses.

Essas crianças precisam de um cuidado intensivo, uma estrutura de UTI.

Por isso, resolvemos fechar o pronto-socorro, porque não tínhamos estrutura física para atender mais pacientes com esse quadro”, explica Sabrina Nery, diretora clínica do Sabará.

É a segunda vez em 56 anos de existência que o Sabará fecha o pronto-socorro.

A primeira foi em abril do ano passado, pelo mesmo motivo.

O PS do hospital atende, em média, 333 crianças por dia.

Não há previsão para a reabertura do serviço, mas a situação será reavaliada pela direção hoje.

Conforme o número de altas dos pacientes internados na unidade.

Segundo a direção do hospital, o índice de casos graves no PS quadruplicou no mês passado.

A estimativa toma por base uma campainha instalada no pronto-socorro e tocada toda vez que um paciente muito grave dá entrada no local.

Em média, essa campainha é acionada oito vezes por mês. Em março, ela foi tocada 40 vezes.

Sem opção

Nessa segunda-feira, os pacientes que procuravam o PS do Sabará eram orientados a buscar outro centro médico.

Só casos muito urgentes eram atendidos.

Grande parte dos pacientes seguiu para o PS infantil do Samaritano, onde as salas de espera estavam lotadas.

“Procurei o Sabará, mas soube que estava fechado e vim para o Samaritano.

Só não esperei tanto porque meu filho está com febre alta, de 38,9ºC, e foi passado na frente”, conta a administradora Taís Andrade, de 32 anos, mãe de Victor Hugo, de 1 ano.

A dona de casa Marcela Bueno Martins, de 34 anos, não teve a mesma sorte.

Às 18 horas de ontem, ela já esperava havia três horas atendimento para a filha Lívia, de 3 anos, e não tinha nem passado pela triagem.

A menina estava com dor no ouvido, tosse e febre.

“Só abri a ficha. Por enquanto, não sei que horas conseguirei passar pelo médico, mas vou esperar porque sei que, se eu for para casa, à noite ela vai piorar e vou ter de retornar”, diz.

Segundo o Samaritano, a demanda no pronto-socorro infantil cresceu 15% entre março e abril e o número de leitos foi ampliado em 30% neste mês para dar conta da procura.

Fonte: Estadão – 24.04.2018.

Ebook Planejamento Estratégico em Saúde, baixe agora o seu.Planejamento Estratégico em Saúde

 

 

Compartilhe!