Tecnologia

A importância da tecnologia e do monitoramento de processos na saúde

Por Roberta Massa B. Pereira | 17.05.2018 | Sem comentários

No Brasil a área da saúde vive um momento de grande transformação devido à diversos fatores, como o atual cenário econômico.

Que mesmo após (leve) suspiro, caminha em constante alerta, como um paciente em observação no pronto socorro.

De acordo como dados da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), os planos de saúde perderam cerca de 48 milhões de beneficiários no último ano.

O principal desencadeador dos números negativos é o alto índice de desemprego no país.

O aumento da expectativa de vida também é um fator que cada vez mais desafia as operadoras de saúde e hospitais.

Segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), ao nascer os homens atualmente possuem expectativa de vida de 70 anos.

Enquanto que para as mulheres a expectativa de vida é hoje de 79 anos.

O último fator, que nem por isso é menos importante, é a variação do custo hospitalar.

Que em sua última medição registrou alta de 19,4%, segundo IESS – Instituto de Estudos de Saúde Suplementar.

Para termos uma ideia do quanto essa variação é representativa no mercado de saúde, a inflação geral do país, medida pelo IPCA, registrou alta de 8,5% no mesmo período.

O número é expressivo não é mesmo?

Quando somamos todos esses fatores e correlacionamos com a perda dos beneficiários e o alto índice dos custos hospitalares.

Temos a certeza de que a cada dia que passa estamos enchendo uma grande bolha que pode explodir a qualquer momento.

Enquanto essa bolha não esvazia ou explode, as operadoras de saúde, hospitais, clínicas e laboratórios vivem em plena batalha.

Tentando se superar a cada dia para se manter no mercado.

Como se manter no mercado nessa fase de transformação na saúde?

Para se manter no mercado de saúde nessa fase de transformação, não restam dúvidas, de que o caminho passa pelo investimento em tecnologia, prevenção e monitoramento de processos.

Com o país em crise, muitos gestores não conseguem perceber a necessidade de investir em tecnologia.

Pois não conseguem perceber os resultados e ganhos com os investimentos de forma imediata.

No entanto, os profissionais com visão mais abrangente dos processos, começam a analisar os riscos e colocam na ponta do lápis os desafios e benefícios do investimento e dos retornos que podem ser alcançados.

A realidade das instituições de referência

As instituições competitivas e de referência na saúde, possuem equipamentos de última geração, investem em inteligência artificial.

Realizam procedimentos minimamente invasivos através de robôs.

A telemedicina vem contribuindo significativamente no monitoramento dos pacientes internados dando mais qualidade e agilidade ao atendimento.

É importante lembrar que quando citamos tecnologia, não podemos pensar apenas em equipamentos avançados.

Mas também é primordial salientar o investimento em sistemas de informação em saúde.

Atualmente, com exceção há alguns serviços públicos, praticamente todos os hospitais privados possuem sistemas de gestão hospitalar.

Mas quando falamos em sistemas de gestão hospitalar que permitem a integração de todos os processos, esse número de instituições reduz de forma significativa.

O fato é que todas as informações lançadas e integradas em um único ERP, não garantem uma gestão eficiente.

Em alguns momentos a consolidação das informações no sistema de gestão hospitalar pode mascarar problemas, ou ser responsável por tomada de decisão equivocada.

Monitoramento de Processos Digital 

O monitoramento dos processos é fundamental!

Possuir uma ferramenta que permita o monitoramento e controle de todos os processos hospitalares de forma digital em tempo real, (no seu nível máximo de refinamento de processo), é certamente grande diferencial para qualquer instituição.

O mercado disponibiliza esse tipo de serviço de forma eficaz, garantindo o aumento da produtividade, efetividade e qualidade na execução dos processos hospitalares.

A consequência dessas ações irá gerar redução de custos, no médio prazo, pois os erros e desperdícios serão identificados e corrigidos.

Outro fator importante é a segurança das informações no momento da tomada de decisão.

O monitoramento de processo em tempo real permitirá acesso à visão mais detalhada de cada processo que envolva a instituição, sendo possível agir no foco do problema diretamente.

 Conclusão

Vivemos um período de desafios constantes.

É papel fundamental dos gestores contribuírem de forma decisiva para que o atual cenário da saúde no Brasil não caminhe para um período ainda mais crítico e sem volta.

Uma discussão séria sobre os custos, formas de pagamento e sobre o papel das instituições e dos planos de saúde precisa ser feita com critério.

Não deixando de fora dessa equação a necessidade dos pacientes.

A tecnologia e os avanços digitais são parte fundamental para o esforço de todos na busca por serviços mais eficientes e que ofereçam ao mesmo tempo rapidez e custos adequados.

Até a próxima.

 

Nota: Esta coluna é mantida pela Solis Tecnologia para Ensino e Processos, que contribui para que os leitores do GeHosp possam ter acesso a conteúdo gratuito de qualidade.

A Solis é uma empresa que implementa e desenvolve soluções tecnológicas para os mais variados setores de ensino, indústria, comércio e saúde.

Compartilhe!