Saúde

IBCC no Ganepão: “O Atleta, o Transplante de Medula e a Nutrição”

Por Roberta Massa B. Pereira | 22.06.2018 | Sem comentários

Como o paciente, a medicina e equipe multiprofissional foram fundamentais para o sucesso do tratamento da Leucemia Mieloide Aguda.

Como falar de um diagnóstico de câncer? Sabemos que não é uma questão fácil, pois envolve as condições clínicas e psicológicas do paciente e familiares.

E o quanto cada pessoa é capaz de absorver informações que fazem parte desse diagnóstico.

Segundo pesquisa da ASCO (The American Society of Clinical Oncology), entre 700 profissionais da saúde.

Apenas 7% se encontram preparados com treinamento para transmitirem um diagnóstico médico.

E há estudos nacionais que comprovam que 30% dos pacientes oncológicos não conhecem seu diagnóstico.

Estas informações foram exploradas pela oncohematologista, Dra. Camila Simões.

Durante Painel do IBCC no Ganepão, que abordou “O Atleta, o Transplante de Medula e A Nutrição”.

Ainda segundo a médica, a Leucemia Mieloide Aguda é uma doença rara, mas com incidência aumentada nos últimos anos.

80 a 90% dos pacientes são adultos, com idade média de 66 anos.

Estudos do CIBMTR (Center for International Blood & Marrow Transplant Research).

No quesito sobrevida, aponta que 50% morrem no início do tratamento.

Neste Painel, que envolveu a participação da medicina, da equipe multiprofissional, enfermagem, nutrição, odontologia, nutrologia, fisioterapia.

E práticas integrativas complementares para uma assistência completa e integral.

Ficou evidenciado como faz parte de um tratamento de sucesso o empoderamento do paciente durante sua assistência.

Rodrigo Cristiano Machado, campeão dos jogos mundiais dos transplantados de natação em 2017.

Passou em média, 200 noites, desde a descoberta da Leucemia Mieloide Aguda até sua completa alta hospitalar, no IBCC.

Ele que permanece em tratamento há mais de 5 anos sempre teve afinidade com práticas de atividades físicas e se preocupou com alimentação.

“A alimentação é de extrema importância e a atividade física não é nenhum segredo.

Sempre procurei caminhar pelos corredores do hospital quando internado.

Fazia fisioterapia com bicicleta ergométrica no meu quarto e utilizava jogos de movimentos.

Queria preservar minha massa magra porque sabia que ia perder durante transplante”.

O Painel abordou a atuação da assistência odontológica pela Dra Sandra Rezende, que explorou a forma de tratar a mucosite oral.

Que envolve a hidratação da boca, bochechos com nistatina, uso de manteiga de cacau, os efeitos anti-inflamatórios do laser e outros aspectos técnicos.

Deise de Andrade, nutricionista, apresentou a importância das dietas serem elaboradas.

E replanejadas segundo aceitação do paciente em cada fase do pré e pós transplante, incluindo a fase de pega da medula.

Quando indicar a nutrição parenteral? Este foi tema apresentado pela Dra Mariana Holanda.

Nutróloga, que explicou que a nutrição parenteral deve ser utilizada quando a oral e/ou enteral não forem adequadas.

Possíveis ou insuficientes para atender às necessidades nutricionais do paciente.

Na visão da enfermagem, a coordenadora assistencial da Unidade de Transplante, Suzana Mosquim.

Enfatizou como deve ser feita a gestão integrada dos profissionais considerando a experiência do paciente.

“Como ele será tratado e retornará à sua vida normal?

Precisamos pensar na saúde da população, no bem estar profissional, além de toda a educação do paciente e da família”, enfatizou.

A fisioterapeuta Camila Peral, destacou que em patologias como o câncer, a fadiga é considerada um dos principais sintomas.

O desafio é minimizar a recusa das atividades, melhorar a qualidade de vida e quebrar o ciclo de restrição de atividades que podem gerar complicações respiratórias e motoras.

As práticas complementares e integrativas, como por exemplo, o Reiki, foi uma das terapias aplicadas no paciente Rodrigo Machado.

A coordenadora da Equipe Multiprofissional, Thabata Fonseca, explorou o tema que tem relação com o bem estar.

Redução da ansiedade e bloqueios emocionais e deixou claro que as práticas complementares não substituem a medicina tradicional no tratamento do câncer.

Fonte: IBCC – 22.06.2018.

Ebook Planejamento Estratégico em Saúde, baixe agora o seu.Planejamento Estratégico em Saúde

 

Compartilhe!