Finanças

Reajuste de plano de saúde individual terá nova regra

Por Roberta Massa B. Pereira | 06.11.2018 | Sem comentários

A Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) colocou em consulta uma nova regra para o reajuste de planos de saúde individuais e familiares.

A expectativa é de que a nova norma, que leva em conta a variação das despesas e a inflação, seja colocada em prática a partir de 2019.

Mas, segundo entidades de direito do consumidor, o órgão não divulgou informações suficientes para saber qual será o efeito da mudança.

“Não há como saber se com o novo método reajustes seriam maiores ou menores do que se mantida a regra atual.

Daí a importância de que a ANS apresente uma simulação”, disse a superintendente do Procon de São Paulo, Maria Feitosa Lacerda.

Em reunião na semana passada com a ANS, entidades de defesa do consumidor pediram que a comparação seja apresentada.

A ANS marcou para o dia 13 audiência pública para discutir o novo formato.

“O ideal é que tenhamos isso com antecedência”, disse a advogada do Instituto de Defesa do Consumidor (Idec), Ana Carolina Navarette.

Lean Six Sigma

Em nota, a ANS argumentou que não seria adequado fazer uma simulação que poderá não se efetivar depois.

Segundo o órgão, dados usados para o novo cálculo são públicos, auditados e estão disponíveis.

Disse ainda que trabalha “para elaborar a melhor metodologia possível”.

Hoje, o reajuste é feito a partir de uma média do aumento nos planos coletivos com mais de 30 beneficiários.

O anúncio da mudança é feito pouco após o Tribunal de Contas da União afirmar que a metodologia usada pela ANS para calcular o reajuste contém falhas.

É pouco transparente e sem mecanismos para conter abusos.

A ANS agora propõe que o aumento tenha como ponto de partida a variação das despesas de assistência.

O quanto operadoras desembolsaram para custear exames, tratamentos e consultas dos clientes.

Esse índice (de sigla VDA) teria peso de 80% no cálculo.

Mas, para usá-lo, seria preciso adotar também dois moderadores.

Um seria a variação das mensalidades causada pela regra da faixa etária.

Além do moderador por faixa etária, a ANS fixou um fator de eficiência, medido pelos gastos com assistência.

A agência também incluiu no cálculo a variação de inflação IPCA, retirando do índice as despesas com saúde. A variação do IPCA terá peso de 20%.

“É uma medida importante. Afinal, nem todas as despesas de operadoras estão relacionadas à assistência. Há gastos com pessoal, com administração”, afirmou Maria Feitosa.

Questionada, a Associação Brasileira de Planos de Saúde (Abramge) afirmou que analisa no momento as propostas.

A entidade considera o tema de extrema importância para a sociedade e a sustentabilidade do setor.

Já a Federação Nacional de Saúde Suplementar (Fenasaúde) disse que vai avaliar a proposta e participar dos debates.

Mercado – 9,12 milhões de brasileiros têm plano de saúde familiar ou individual. Isso corresponde a 20% do mercado de saúde suplementar do País.

Fonte: Estadão – 06.11.2018.

Ebook Lean Six Sigma em Saúde, baixe agora o seu.

Ebook Lean Six Sigma em Saúde

Compartilhe!